sábado, 26 de janeiro de 2008

PRECONCEITO CONTRA OS CORRETOS



A gente cria as filhas com o melhor pediatra, aparelho nos dentes, disco da Xuxa, curso de inglês, natação, aulas de ballet, escola particular, o melhor xampu, para depois elas se apaixonarem por um cara de boné, sem um dente na frente, e que fala “nóis peguêmo!”
O nosso sonho era que o namorado da nossa filha fosse sócio majoritário da Microsoft, visse nela a reencarnação de Nossa Senhora e achasse o sexo discutível até mesmo para a procriação.
Entre o nosso sonho e a realidade gelada, a gente até já pede para deus, nosso senhor, que o cara trabalhe, nem que seja no Mac Donald’s, não bata nela seguidamente e que sua tara sexual seja um pouco controlada.

É preciso repudiar toda a forma de preconceito, até mesmo a política (pasmem), mas que há um preconceito muito forte, que ninguém nunca comenta, que cresce cada vez mais, que já se eterniza, que é o preconceito contra os corretos. Coitado dos corretos.
Eles disputam as vagas com caras que ficam o dia inteiro jogando futebol, bronzeados, sem a menor chance de rugas e cabelos brancos, uma vez que sua maior preocupação é saber quanto ganha por mês o lateral direito do Corinthians e além de tudo tem uma completa despreocupação com o romantismo, chamando todas as meninas de minha gostosa, enquanto os decentes se apresentam para a batalha com a pele mais branca do que a neve, com cabelos grisalhos, com gagueira, óculos mais grossos que garrafão de vinho e o máximo que conseguem ousar é a simples tentativa de pegar na mão da menina no terceiro mês de noivado.

Que disputa desigual, enquanto os de bonés chegam na casa do sogro, sem camisa e com bermuda cheia de bolsos, só para levar salgadinhos, pois nem documento carregam, conversando mais que camelô desempregado, os da pele de camarão sentam no sofá, com as duas mãos nos joelhos, parecendo o Clark Kent e ficam calados por exatos 703 minutos.

Eu tenho regras e princípios norteadores, embora eu more no sul e, se eu puder deixar uma lição para a posteridade, lhes deixo a seguinte:
-Minha filha : Não evite namorar caras de boné.
Sérgio Lisboa

2 comentários:

Áurea disse...

Triste Realidade hahahahahaha

CRÔNICAS DO SÉRGIO disse...

Olá Sérgio
Gostei do Blog
Não sabia que gostavas de escrever
Gostei do Preconceito contra os corretos...
Parabéns
Vou divulgar
Posso te ajudar também com dicas no lançamento do livro. Tenho uma editora virtual muito boa.

Um grande abraço

Prof. Saul Sastre